Global Warming? Under Sea Volcanos

The Axial Seamount
300 kilometers off the coast of Oregon there is an undersea volcano, The Axial Seamount. It erupted in 1982, 1998, 2011 and 2015. New Scientist July 9th, 2007 suggests that there are roughly 3 million volcanoes under the oceans of the world, this one is the only under sea volcano ever, regularly, studied. It is estimated that about 80 % of all volcanic activity on Earth occurs under the oceans. Almost nothing is known about these volcanoes. Scientists do not even have a scale by which to measure volcanoes that erupt under the sea. No system has ever been developed to describe or rate their magnitude like the systems rating Volcanoes above land.

 

null

 

Environment Canada – August 2015 . . . arrow pointing to ’Axial Seamount’- by author
On July 18th, 2011 the National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), an agency of the United States Government, declared, in Scientific American and also in Nature Geoscience on July 17th, 2011, that more than 1/2 of all the heat that keeps planet Earth from freezing in the cosmos comes from the fission reactor at the Earth’s core. The other half of the heat that keeps life possible on Earth, comes from the Sun. The earth’s core is said to be 6,230o centigrade . . . Equal to the temperature of the surface of the Sun. Scientists described the core of the Earth as a Fission reactor producing more than one half of all the heat needed to survive in the Universe as we careen through space at 107,000 kilometers per hour circling around the Sun. https://blogs.scientificamerican.com/observations/nuclear-fission-confirmed-as-source-of-more-than-half-of-earths-heat/

Not one research paper regarding ‘Climate Change’ ever written to this day includes that 50% contribution to global warming coming from the Earth’s core. 100 % of all papers written to date describe the effects of the Sun and Solar Radiation as being the only source of energy. How will that effect our long-term calculations considering this one dramatic alteration to statistical analysis? And how will this one enormous fact change our views of climate change?

Continue lendo…

IPCC steps up warning on climate tipping points in leaked draft report

Climate scientists are increasingly concerned that global heating will trigger tipping points in Earth’s natural systems, which will lead to widespread and possibly irrevocable disaster, unless action is taken urgently.

The impacts are likely to be much closer than most people realise, a a draft report from the world’s leading climate scientists suggests, and will fundamentally reshape life in the coming decades even if greenhouse gas emissions are brought under some control.

The Intergovernmental Panel on Climate Change is preparing a landmark report to be published in stages this summer and next year. Most of the report will not be published in time for consideration by policymakers at Cop26, the UN climate talks taking place in November in Glasgow.

A draft of the IPCC report apparently from early this year was leaked to Agence France-Presse, which reported on its findings on Thursday. The draft warns of a series of thresholds beyond which recovery from climate breakdown may become impossible. It warns: “Life on Earth can recover from a drastic climate shift by evolving into new species and creating new ecosystems … humans cannot.”

Tipping points are triggered when temperatures reach a certain level, whereby one impact rapidly leads to a series of cascading events with vast repercussions. For instance, as rising temperatures lead to the melting of Arctic permafrost, the unfreezing soil releases methane, a powerful greenhouse gas that in turn causes more heating.

Continue lendo…

PROCESSO SELETIVO BOLSAS PARA O CURSO YCL ATÉ 01/AGO!

No sentido de ampliar a sensibilização e o engajamento sobre a crise climática, o Fé no Clima tem o prazer de divulgar a abertura do Processo Seletivo de Bolsas para o Curso de Liderança Climática Para o Século XXI (até 01/8). O curso é uma realização do YCL – Youth Climate Leaders (rede internacional de jovens líderes climáticos) e tem como objetivo capacitar jovens de todo o mundo com habilidades de liderança e empreendedorismo para trabalharem e lidarem com o tema das mudanças climáticas. Caso haja possibilidade, sugerimos que divulguem aos jovens da sua comunidade de fé que possam se interessar pela temática.

_________________________________________

PROCESSO SELETIVO BOLSAS PARA O CURSO YCL ATÉ 01/AGO!

Um dos pilares principais dos treinamentos do YCL é a diversidade dos participantes selecionados. Por isso, fazemos um grande esforço para apoiar líderes climáticos que não possuam meios de pagar pela sua inscrição. Hoje, mais de 40% dos membros da rede são bolsistas, que engrandecem essa rede tão incrível.

Pedimos por favor para que nos ajudem compartilhando nas suas redes!
Mais informações sobre o curso YCL: bit.ly/cursoycl
Formulário de inscrição para bolsas: bit.ly/cursoycl

Transdisciplinaridade e unidade cientifica

A unificação da ciência através da transdisciplinaridade para a solução
dos problemas civilizacionais.


Heitor Matallo Junior
Junho, 2021

 

I. Breve resumo sobre a unidade da ciência

A busca pela unidade da ciência nos parece as vezes um remanescente esotérico do pitagorismo, que atribuía todo o universo a uma feliz e harmoniosa confluência dos números.

Este ideal do conhecimento unitário e universal tem sua origem sistemática na filosofia grega e perpassa o pensamento ocidental até o século XXI. Platão (428 aC – 348 aC) menciona no diálogo O Sofista, que “o conhecimento também é certamente um, mas cada parte dele que comanda um certo campo é marcada e recebe um nome especial próprio”.

Algumas décadas depois da morte de Platão começaram a aparecer os tratados de Euclides de Megara (325 aC – 265 aC), que vão se completar totalmente após a sua morte, através de um grupo de matemáticos que trabalhava com ele em Alexandria. Obra monumental e precisa que inspirou filósofos por séculos, incluindo Galileu, que quase dois mil anos depois, na mesma linha, afirmaria que “o grandíssimo livro (da natureza) está escrito em linguagem matemática e os caracteres são triângulos, círculos e outras figuras geométricas (…) sem as quais se estará vagando em vão por um obscuro labirinto”.

Durante a Idade Média, outras tantas contribuições na busca de um conhecimento perfeito e único, a começar pelo advento e expansão do cristianismo e a reorganização do conhecimento refletida na ideia de um mundo governado pelas leis ditadas por Deus.

No século XIII aparece a figura Ramon Llull (1232 -1316) que se dedicou, entre muitas outras coisas, a desenhar uma máquina logica, a que chamou de Ars Generalis Ultima (‘Última arte general’) com a finalidade de revelar a verdade ou mentira de um postulado, por meio da organização da linguagem através das formas geométricas perfeitas (circulo, cubo, quadrado, triangulo). A finalidade última da máquina era explicar as verdades da ciência e da filosofia como se fossem uma única coisa.

No final do século XVI, Francis Bacon sustentava que uma unidade das ciências era o resultado de nossa organização de registros de fatos materiais descobertos na forma de uma pirâmide com diferentes níveis de generalidades. Estes poderiam ser classificados por sua vez de acordo com as disciplinas vinculadas às faculdades humanas.

Gottfried Leibniz (1646 -1726) propôs a chamada characteristica universalis, ou seja, uma ciência geral na forma de uma enciclopédia demonstrativa., baseada em um “catálogo de pensamentos simples” e uma linguagem algébrica de símbolos, que…

Continue lendo…

Día de Lucha contra la Desertificación y la Sequía 17 de junio de 2021

  1. Introducción

Cada vez son más las voces, en todo el mundo, que reclaman una recuperación de la pandemia de COVID-19 respetuosa con el medio ambiente. Una recuperación verde que favoreciese economías resilientes y medidas robustas y urgentes para abordar el cambio climático. Semejante cambio invertiría la pérdida de naturaleza y biodiversidad, que carcome los cimientos de la existencia humana y aumenta el riesgo de futuras pandemias. Aunque parezca excesivo, existe un enfoque que puede ayudar a resolver todos los problemas a la vez: restaurar las tierras degradadas. Restaurar las tierras degradadas genera empleo y aumenta los niveles de ingresos; incrementa la seguridad alimentaria; reduce el carbono de la atmósfera, lo que disminuye el cambio climático; recupera la biodiversidad y nos protege de los efectos del cambio climático. Habida cuenta de los billones de dólares destinados a la recuperación de la pandemia y de los compromisos de restauración, ya acordados con motivo del comienzo del Decenio de las Naciones Unidas sobre la Restauración de los Ecosistemas —los cuales abarcan cerca de 1.000 millones de hectáreas — disponemos de una oportunidad excelente para reconstruir mejor empleando tierra sana.

 

  1. Objetivo

El objetivo del Día de Lucha contra la Desertificación y la Sequía de 2021 radica em demostrar que invertir en tierra sana, como parte de una recuperación verde, supone uma decisión económica inteligente. No solo en cuanto que genera empleo y restituye los medios de subsistencia, sino también con miras a proteger a las economías de futuras crisis derivadas del cambio climático y la pérdida de naturaleza, así como para acelerar el progreso en la consecución de los 17 Objetivos de Desarrollo Sostenible. De esta forma, con el Día de Lucha contra la Desertificación y la Sequía se pretende fomentar medidas que protejan y restauren los ecosistemas naturales, en el marco de la recuperación de la COVID-19. A tal fin, la Convención de las Naciones Unidas de Lucha contra la Desertificación (CNULD) colaborará con el Ministerio de Ambiente y Energía de Costa Rica, anfitrión de esta celebración global, con el propósito de alentar a hogares, comunidades, sector privado y países a mejorar su relación con la naturaleza.

Continue lendo…

The state of the climate in 2021 BBC Future

After the turbulent year of 2020, BBC Future takes stock on the state of the climate at the beginning of 2021.

 

From unprecedented wildfires across the US to the extraordinary heat of Siberia, the impacts of climate change were felt in every corner of the world in 2020. We have come to a “moment of truth”, United Nations Secretary General Antonio Guterres said in his State of the Planet speech in December. “Covid and climate have brought us to a threshold.” BBC Future brings you our round-up of where we are on climate change at the start of 2021, according to five crucial measures of climate health.

  1. CO2 levels

The amount of CO2 in the atmosphere reached record levels in 2020, hitting 417 parts per million in May. The last time CO2 levels exceeded 400 parts per million was around four million years ago, during the Pliocene era, when global temperatures were 2-4C warmer and sea levels were 10-25 metres (33-82 feet) higher than they are now.

“We are seeing record levels every year,” says Ralph Keeling, head of the CO2 programme at the Scripps Institution of Oceanography, which has been tracking CO2 concentrations from the Mauna Loa observatory in Hawaii since 1958. “We saw record levels again this year despite Covid.”

The effect of lockdowns on concentrations of CO2 in the atmosphere was so small that it registers as a “blip”, hardly distinguishable from the year-to-year fluctuations of the carbon cycle, according to the World Meteorological Organization, and has had a negligible impact on the overall curve of rising CO2 levels.

“We have put 100ppm of CO2 in the atmosphere in the last 60 years,” says Martin Siegert, co-director of the Grantham Institute for climate change and the environment at Imperial College London. That is 100 times faster than previous natural increases, such as those that occurred towards the end of the last ice age more than 10,000 years ago.

Continue lendo…

FAO e PNUMA participam de lançamento de e-book sobre arborização urbana

FAO e PNUMA participam de lançamento de e-book sobre arborização urbana

 

Nesta sexta-feira (11), às 14h, acontece o lançamento do e-book “Verde Urbano”, o primeiro da série “Eu, meio ambiente e você”, que trará temas ambientais e socioambientais e que está atrelado a um projeto que nasce com a filosofia de criação colaborativa, idealizado e capitaneado pelos biólogos e pesquisadores Maurício Lamano Ferreira (UNASP), Alessandro Zabotto (UNESP) e Fernando Periotto (UFSCar). O livro tem por objetivo principal, apoiar a aproximação das pessoas com a natureza.

O e-book conta com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), agências líderes para a Década de Restauração de Ecossistemas.

“Ao apoiar o lançamento deste e-book, reafirmamos nosso compromisso de continuar trabalhando para garantir que a biodiversidade e a saúde do ecossistema estejam cada vez mais integradas para contribuir com uma agricultura verdadeiramente sustentável e cidades mais verdes”, explica o Representante da FAO, Rafael Zavala.

Saiba mais…

Google e Harvard produzem mapa em mais alta resolução do cérebro humano

Google e Harvard produzem mapa em mais alta resolução do cérebro humano

 

Cientistas do Google e da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, publicaram nesta terça-feira (8) o mapa mais detalhado das conexões do cérebro humano. A tecnologia abrange 1 milímetro cúbico do Sistema Nervoso Central, incluindo várias camadas e tipos de células do córtex cerebral, área responsável por funções como pensamento, planejamento e linguagem.

Chamado de “H01”, o mapa foi desenvolvido a partir de amostras reais dessa região do cérebro, que foram cortadas em 5,3 mil seções, cada uma com 30 nanômetros de espessura (1 nanômetro equivale a um bilionésimo de 1 metro). As amostras foram obtidas a partir de cirurgias neurológicas de tratamento para epilepsia, realizadas no Hospital Geral de Massachusetts, em Boston. Normalmente, pedaços do córtex são removidos durante tais procedimentos para obter acesso a um local mais profundo no cérebro onde uma crise epiléptica pode começar.

Em seguida, os tecidos foram fotografados em um microscópio eletrônico de varredura com resolução de 4 nanômetros, resultando em 225 milhões de imagens. O acervo foi todo representado em 3D e um algoritmo serviu para classificar os dados, que incluem dezenas de milhares de neurônios reconstruídos, milhões de fragmentos desses neurônios, 130 milhões de sinapses, diversas células e outras estruturas.

Saiba mais…